MANCHETE SECUNDÁRIA

O impacto da crise hídrica na Eneva, AES, Cesp, Sanepar e outras companhias

 

Publicado às 14h30

 

O alerta do governo federal sobre a situação de emergência hídrica no Brasil, válido para o período entre 21 de junho e 21 de setembro, levou várias instituições financeiras a avaliar o impacto nas companhias com papéis negociados na B3. A seguir confira um resumo:

 

AES Brasil e Cesp

O banco Credit Suisse avalia que as geradoras mais expostas à energia hídrica, como AES Brasil (AESB3) e Cesp (CESP6), devem ser negativamente impactadas pela crise.

Os analistas do banco salientam que a geração de energia térmica deve implicar maior pressão de capital de giro para as distribuidoras de energia, com o consequente aumento das tarifas. 

Sanepar

Entre empresas de saneamento apenas a Sanepar (SAPR11) foi afetada até o momento pela crise hídrica.

A combinação da crise hídrica no Paraná e com o processo de segunda revisão tarifária foi o suficiente para o time de analistas do banco Safra adotar uma postura “neutra” para as units da Sanepar. O preço-alvo é de 25,80 em função dos “riscos regulatórios e operacionais crescentes à frente”.

“Atualmente a Sanepar (SAPR11) está em 54% do reservatório total de água e continuam operando em regime de rotação. Se os reservatórios atingirem 80% da capacidade total, a rotação deve ser suspensa, mas, se a crise chegar a um nível extremo, a empresa pode adotar medidas de rotação mais severas, como penalidades de consumo”, destaca o Safra em relatório.

Eneva, Omega e Engie Brasil

Os analistas do Itaú BBA destacam que a Eneva (ENEV3) e a Omega (OMGE3) devem ser as maiores beneficiárias da situação atual. As companhias têm baixa exposição à energia hidrelétrica.

O Credit Suisse concorda que a Omega deve ser menos impactada. Na avaliação do banco, a Engie Brasil Energia (EGIE3) também deve ser menos afetada.

Cemig e Light

A companhia mineira Cemig (CMIG4) e Light (LIGT3), no Rio de Janeiro, também devem ser impactadas, mas de forma mais leve.

Transmissão

As companhias do setor de transmissão como Taesa (TAEE4) e Isa Cteep (TRPL4) devem sofrer os menores impactos da crise hídrica por não estarem expostas ao setor de geração de energia.

Whatsapp: 

Para receber notícias entre no grupo pelo link:

https://chat.whatsapp.com/JBmLNFUS8EgL4ACrqx93ub

Telegram

Para notícias entre nesse grupo: https://t.me/joinchat/AAAAAFdKtmVSmTmfF68jIA

Para análise gráfica entre nesse grupo: https://t.me/joinchat/AAAAAFk1BILf5KNH9DlQ3A

Published by
Redação

Recent Posts

Taesa aprova dividendos intercalares e JCP: valor soma R$ 523 milhões

    Publicado às 23h25   O conselho de administração da Taesa (TAEE11) aprovou nesta…

1 de dezembro de 2021

Ambipar lança aplicativo para pessoas físicas compensarem suas emissões de carbono

    Publicado às 23h55     A Environmental ESG, subsidiária da Ambipar (AMBP3), anunciou…

1 de dezembro de 2021

Notícias corporativas da noite desta quarta, 1°

    Atualizado às 23h33 com a notícia do dividendo da Taesa   Notícias corporativas…

1 de dezembro de 2021

Renova Energia conclui venda da Brasil PCH

    Publicado às 20h57     A Renova Energia (RNEW3; RNEW 4 e RNEW11),…

1 de dezembro de 2021

Aura anuncia dividendo de US$ 0,35 por ação e recompra de BDR

    Publicado às 20h30   O conselho de administração da Aura Minerals (AURA33) aprovou…

1 de dezembro de 2021

Cury aprova o pagamento de dividendo

  Publicado às 19h51   A Cury Construtora e Incorporadora (CURY3) informou que seu conselho…

1 de dezembro de 2021