Atenção: instabilidade financeira pode prejudicar a sua saúde mental

9 de fevereiro de 2021 Por Redação

 

Atenção: instabilidade financeira pode prejudicar a sua saúde mental

 

Mais da metade dos brasileiros estão endividados. É o que apontam os dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgados através da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor. Segundo a pesquisa, o mês de dezembro de 2020 revelou que 66,3% dos consumidores do país se mostraram endividados. As dívidas financeiras são o início de um problema que pode se tornar uma verdadeira bola de neve.

O SPC Brasil aponta que 69% dos inadimplentes sofrem de ansiedade por achar que não vão conseguir honrar as dívidas. Além da ansiedade, outros problemas físicos e mentais também são constatados como: angústia, desânimo, sentimento de culpa e baixa autoestima. É por isso que é tão importante saber como cuidar do seu dinheiro.

Entretanto, essa relação com o dinheiro muitas vezes é complicada. Diversos são os casos de pessoas que não conseguem se organizar financeiramente. Com isso acabam vivendo com as contas no limite. E é aí que os problemas começam: os boletos são deixados de lado por falta de dinheiro ou organização, os empréstimos aparecem e a saúde mental fica cada vez mais prejudicada, com a pressão que só aumenta. Uma bola de neve da qual muitas vezes é bastante difícil de sair.

Mas afinal, é possível manter a cabeça tranquila e voltar ao eixo? “Primeiro você deve identificar se está com a saúde mental abalada. Os cuidados com o corpo e mente devem ser imediatos. Em seguida, você deve aprender a controlar o seu dinheiro”, explica a especialista em Saúde do Portal Guia De Bem-Estar, Joana Dias. “O dinheiro tem forte influência em nossas vidas. É muito comum que um problema relacionado às finanças afete a nossa saúde mental. Por isso é preciso ficar atento aos sintomas e combatê-los. É possível sim voltar ao eixo, entretanto é necessário bastante compromisso e dedicação”, completa.

Está familiarizado com algum desses sintomas?

– Crises de ansiedade – A ansiedade muitas vezes é ignorada e vista como algo bobo. É importante perceber quando ela está por perto para que você possa entender a gravidade do problema. Sintomas físicos e psicológicos começam a aparecer. Fique atento a sinais de insônia, suor, tremores, boca seca, sensação de fraqueza, aumento no ritmo cardíaco e dores no estômago. Está com algum desses sintomas? Atenção! Você pode estar ansioso. O pior é que a ansiedade pode evoluir para a síndrome do pânico. Nesse caso, os sintomas se agravam e a sensação de medo e impotência é tão grande que muitas vezes você não vai querer nem sair de casa. Fique atento aos sintomas e procure o quanto antes a ajuda de especialistas.

Depressão – Caracterizada por uma tristeza profunda, a depressão é uma doença muito perigosa. Problemas financeiros podem servir de gatilho para que ela se manifeste com força no corpo da pessoa, graças a ansiedade extrema causada. É importante saber distinguir ansiedade de depressão. Por exemplo: a pessoa ansiosa vai procurar algo para fugir das preocupações, fazendo o que lhe dá prazer. Quem está em depressão não consegue fazer nem isso. Essa atividade prazerosa será deixada de lado. Fique atento aos sinais!

Como lidar com isso?

É possível diminuir o impacto das contas negativas em nossa saúde mental adotando atitudes mais positivas, firmes e decididas perante as dívidas acumuladas.

– Aceite a sua condição financeira: entenda quais são os gastos mensais, quanto você recebe e onde você errou para faltar dinheiro para as contas do mês. Se for necessário, mude o padrão de vida. Corte gastos desnecessários e entenda que a sua saúde financeira é indispensável para uma boa saúde mental.

– Faça terapia: um psicólogo ajudará você a deixar a mente em paz em momentos de turbulência. Com isso, sinais de ansiedade e depressão podem ser minimizados e controlados já de início.

– Quite as suas dívidas: negocie acordos e descontos para acabar com as dívidas. Estude bem as suas finanças. Comece quitando as que possuem juros maiores ou que envolvam serviços necessários como luz, água, gás e condomínio.

– Não se endividar ainda mais: muitas pessoas acham que um empréstimo, muitas vezes, é a solução mais simples para quitar dívidas. Dependendo do caso, ele realmente pode ser uma boa opção. Entretanto, é preciso planejamento. Empréstimos são, antes de mais nada, novas dívidas. A ideia é que você evite esse tipo de despesa.

– Crie uma renda extra: essa é a melhor forma de conseguir mais dinheiro para te ajudar a quitar as dívidas. O ideal aqui é transformar algum hobby em rendimento. Entretanto, caso não tenha nada em mente você pode: trabalhar com aplicativos de carona e entrega; oferecer aula particular de algum assunto que você domina; trabalhar de freelancer; alugar quartos da sua casa, entre outros.