Os idosos e os financiamentos

21 de junho de 2018 Por Redação

Dinheiro

 

Com a crise é cada vez mais comum ver desempregados recorreram à renda dos pais ou avós para equilibrarem o orçamento. E não são poucos os idosos que acabam se endividando e buscando empréstimos para se adequar a nova realidade. O que muitos se perguntam é o que fazer para não cair na armadilha do crédito fácil e depois correr o risco de ficar devendo uma quantia impagável no curto prazo.

Cuidado com o crédito consignado

Especialistas no assunto afirmam que os idosos precisam ter cautela, principalmente, com o crédito consignado, aquele cujas prestações são descontadas diretamente na folha de pagamento.

Embora essa linha de crédito seja, às vezes, atrativa por causa da facilidade de obtê-la e dos juros mais em conta, é fundamental que sejam analisadas com cuidado todas as cláusulas do contrato. Se tiver dúvidas, peça esclarecimentos a um profissional de sua confiança antes de assinar.

É importante também que a pessoa exija o demonstrativo do valor total do empréstimo, com todas as taxas, antes de solicitar o financiamento. Assim se pode ter uma ideia do impacto do juro no crédito ofertado.

Se não tiver alternativa e precisar recorrer ao consignado, pesquise antes qual instituição financeira oferece as taxas mais baixas.

Emprestar o nome para outros tomarem financiamentos

Quem está na terceira idade ainda corre outro risco: existem pessoas que se aproveitam de idosos para obter vantagens financeiras. É importante ficar atento a isso. Nunca empreste seu nome para outras pessoas tomarem crédito. Se ela não pagar, quem fica com o nome sujo é você.

Evite também ser avalista ou dar fiança a terceiros quando os valores forem muito altos em relação a sua renda mensal. Lembre-se que é você que terá de arcar com o prejuízo caso a pessoa que solicitou a fiança fique inadimplente.

Para evitar problemas, planeje-se

Em se tratando de finanças pessoais, a base de tudo é o planejamento. Sem isso fica difícil controlar os gastos e o risco de não conseguir pagar as dívidas aumenta. Para aposentados que precisam arcar com os gastos familiares, incluindo os de filhos e netos, é importante elaborar um orçamento doméstico e colocar na ponta do lápis (ou em uma planilha no computador) seu rendimento líquido e depois subtrair todos os gastos. Assim o idoso poderá saber onde cortar eventuais despesas desnecessárias.

Com todas essas dicas, o fantasma do endividamento pode não desaparecer, mas certamente será afastado de sua vida financeira.

Leia também:

Dicas imperdíveis para economizar no seguro do carro

Imóvel: hora de comprar?

 

O artigo foi redigido com base na opinião de especialistas consultados pela reportagem. Esse portal não faz qualquer tipo de recomendação de investimento e não se responsabiliza por perdas, danos diretos ou indiretos e lucros cessantes resultantes de decisões tomadas a partir de seu conteúdo, gráficos, tabelas ou vídeos.

Procure sempre um profissional certificado por entidade reguladora para obter recomendações, análises ou consultoria sobre investimentos financeiros. Para mais detalhes acesse o site da Comissão de Valores Mobiliários: www.cvm.gov.br