Após novo recorde histórico Ibov recua e fecha em leve alta

12 de setembro de 2017 Por Redação

Atualizado às 17h23min

A notícia de que o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso decidiu abrir inquérito para investigar o presidente Michel Temer por suspeita de crime de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro, reduziu a euforia do mercado.

O Ibovespa cedeu e fechou em leve alta de 0,30% aos 74 mil 538. Antes da notícia sobre o inquérito envolvendo Temer, o índice tinha alta superior a 1% e chegou a marcar nova máxima histórica no intraday em 75 mil 332 pontos.

Ambev (ABEV3) teve valorização de 3,7% e liderou os ganhos com o Credit Suisse elevando a recomendação para os papéis da companhia de “neutra” para “compra”. O preço-alvo passou de R$ 20 para R$ 23,50.

Cemig (CMIG4) também ficou entre as maiores altas: 3,5%. A Vale afirmou nesta terça que tem interesse nas usinas da Cemig que vão a leilão dia 27 de setembro, porém, ressaltou que nenhuma decisão foi tomada. A operação seria por meio da Aliança, empresa da qual a mineradora detém 55% e a Cemig 45%.

Fibria (FIBR3) liderou as perdas do Ibovespa com queda de 2,5%.

Fora do Ibovespa, os papéis do Magazine Luiza (MGLU3) tiveram queda de 11% após a empresa revelar que vai fazer uma oferta de ações.

Maiores altas do Ibovespa

altas

Maiores quedas do Ibovespa

quedas

 

Na agenda desta terça-feira no Brasil, o destaque é a ata do Copom, que foi divulgada às 8h. De acordo com o documento, o Comitê deve reduzir de forma gradual o ritmo dos cortes na taxa Selic nas próximas reuniões. O corte de 1 ponto percentual na semana passada, deixou a Selic para 8,25%.

Leia também:

Ministro Barroso, do STF, abre inquérito para investigar Temer e Loures

iPhone X, Apple Watch 3 e outras novidades da Apple

Oferta pública de ações da Magazine Luiza

Tráfego da Azul, PDV do Bradesco e outros destaques

 

 

 

Queremos te ouvir

Se você viu algum erro na reportagem ou se quiser fazer um comentário (sugestão, crítica) para que possamos aprimorar nosso serviço, escreva para reportagem@financenews.com.br