Come-cota: sim, ele come parte de seu rendimento

21 de agosto de 2017 Por Redação

come-cota

 

O nome pode parecer engraçado, mas certamente seu bolso não acha nada divertido. Estamos falando do chamado come-cota, um instrumento legal utilizado pelo governo para cobrar Imposto de Renda (IR) de fundos de investimento classificados como de longo prazo ou de curto prazo, como os de renda fixa e os multimercados. A regra não é aplicada, por exemplo, aos fundos de ações.

O que é o come-cotas?

Novos investidores, que ainda não conhecem as regras de tributação, geralmente se surpreendem com a primeira cobrança ao lerem o relatório de rentabilidade. O motivo é que todos os meses de maio e novembro o governo federal abocanha uma parte de tudo que o cotista ganhou de juros nos últimos seis meses de investimento. Em outras palavras é um sistema de antecipação de imposto de renda que obedece às exigências da Receita Federal. Portanto, antes de aplicar em um Fundo, pergunte se terá cobrança de come-cota.

Por que come-cotas?

Quando alguém aplica em um fundo está na verdade comprando cotas deste fundo, partes dele. O nome come-cotas se deve ao fato de que o pagamento de IR é feito, primeiramente, em cotas. Ou seja, quando ocorre o desconto do imposto, a quantidade de cotas que o investidor tem naquele fundo diminui.

Para quem investe no longo prazo (cinco, dez anos) a perda pode ser significativa, pois ao ter de pagar antecipado o IR, o potencial dos juros compostos é reduzido. E lembre-se ainda que o Fundo vai cobrar também taxa de administração. Em síntese, a rentabilidade bruta terá de ser muito boa para, após a cobrança de taxas e impostos, você ter um rendimento maior que a inflação anual.

Eles não têm come-cotas

Quem investe em CDB, LCI, LCA, Caderneta de Poupança não sofre a tributação do come-cotas nem paga taxa de administração. Não estamos dizendo que você deve aplicar nessas modalidades, mas apenas esclarecendo que vale a pena pedir ao especialista que lhe assessora em seus investimentos para que faça os cálculos e veja qual é a aplicação que melhor se adequa a seus objetivos levando em consideração o risco e o tempo que quer ficar com o dinheiro investido. Nessas horas a calculadora e as simulações são seus melhores amigos.

 

 

O artigo foi redigido com base na opinião de especialistas consultados pela reportagem. Esse portal não faz qualquer tipo de recomendação de investimento e não se responsabiliza por perdas, danos diretos ou indiretos e lucros cessantes resultantes de decisões tomadas a partir de seu conteúdo, gráficos, tabelas ou vídeos. 

Procure sempre um profissional certificado por entidade reguladora para obter recomendações, análises ou consultoria sobre investimentos financeiros. Para mais detalhes acesse o site da Comissão de Valores Mobiliários:http://www.cvm.gov.br