Série sou novato na Bolsa: Os erros mais comuns de quem está começando

21 de novembro de 2016 Por Redação

A série de reportagem que o Finance News apresenta a você mostra os erros mais comuns que iniciantes na Bolsa de Valores cometem. E os erros doem. Doem no bolso. Não é difícil encontrar pessoas que perderam boa parte de seu capital na Bolsa por falta de experiência na renda variável. Se você é novato na Bolsa, leia com atenção o texto a seguir.

 

lupa7

 

Reportagem 1: Os erros mais comuns de quem está começando a operar

 

Operar na Bolsa de Valores não é para “amadores”, é para profissionais ou para pessoas que tenham experiência. Para quem está começando na renda variável essa frase soa arrogante, mas na verdade não é. O avanço da Internet permitiu que qualquer um com conta cadastrada em uma corretora pudesse comprar e vender ações mesmo sem um curso ou orientação de um profissional certificado.

Essa facilidade levou muita gente a fortes e irreparáveis perdas. Desde 2010 para cá, quando o índice Bovespa entrou em uma tendência de baixa de longo prazo, ganhar dinheiro com ações se tornou uma tarefa ainda mais complexa para os profissionais e profundamente desafiadora para os que estão recém começando.

 

Aprender a lidar com o Home Broker é apenas o primeiro passo

Existem vários tipos de pessoas novatas na Bolsa: há aqueles que tem um pouco de medo e aplicam pequenas quantias de seu capital; outros são agressivos e alocam boa parte do dinheiro em ações e existem ainda os que, sem saber ao certo o que estão fazendo, ganham e na sequência apostam um alto percentual de seu capital sem qualquer manejo de risco adequado.

 

Lição número 1: entenda o que está fazendo

Independente de seu perfil, a primeira lição é: para operar ações e ganhar com consistência, seja no curto ou longo prazo, é preciso muito mais do que saber lidar no Home Broker. Colocar uma ordem de compra ou de venda é a parte mais fácil.

Nesse sentido, antes de começar a operar, as pessoas iniciantes na renda variável devem se informar sobre os riscos, como gerenciá-los, como selecionar um papel para especular no curto prazo e como analisar um ativo para o longo prazo.

A Internet pode ajudar nisso. A Comissão de Valores Mobiliários tem um excelente material para iniciantes no Portal do Investidor www.portaldoinvestidor.gov.br.

 

Para quem já sabe o básico

Se você é daquelas pessoas que já sabe o básico, mas mesmo assim acredita que precisa de mais conhecimentos para ter sucesso em suas operações, o ideal é fazer um curso sobre análise gráfica (conhecida também como análise técnica), análise de fundamentos e manejo de risco. Tem muito material gratuito sobre isso na Internet.

Sobre Análise Gráfica há um livro chamado “Comprar e Vender”, escrito por Eduardo Matsura. É uma obra pequena e acessível sobre o tema.

 

Você quer fazer ‘trades’ ou investir?

É fundamental também perguntar a si mesmo: quero operar no curto prazo ou fazer operações para o longo prazo?

Se você quiser operar no curto prazo e realizar as operações de ‘swing trading’ (duram alguns dias ou semanas) ou ‘day trading’ (são realizadas durante um pregão) será necessário entender um pouco de análise de gráfico. Esse conhecimento é fundamental para o manejo de risco (algo que explicaremos na próxima reportagem dessa série).

Para conhecer um pouco de análise gráfica, veja este vídeo.

O gerenciamento do risco permite que você, antes de começar uma operação, saiba qual risco vai correr (onde colocará sua ordem stop caso tudo dê errado) e qual o alvo da operação (se tudo der certo onde vai sair).

Este vídeo vai ajudá-lo a entender na prática o manejo de risco.

O risco pode ser controlado ainda através de estratégias mais complexas no mercado como ‘trava de alta’, ‘trava de baixa’. Para isso é fundamental que seja consultado o profissional que lhe assessora no mercado e que sejam esclarecidas todas as dúvidas sobre esses tipos de operações.

Agora se você quer comprar um papel para se associar a uma empresa, então você deve dominar os conhecimentos da análise de fundamentos e após um exaustivo estudo da empresa ao longo do tempo, irá comprar os papéis. Nesse caso você irá fazer um investimento e não uma operação especulativa como fazem os ‘traders’, que operam no curto prazo tentando obter uma rentabilidade em um pregão (day trade) ou em alguns dias (swing trading).

 

Grafista ou fundamentalista ?

‘Grafistas’ são as pessoas que aplicam seus recursos na renda variável observando exclusivamente os gráficos das ações. Já os ‘fundamentalistas’ são os investidores que aplicam seus recursos após ler os balanços das empresas, fazer uma análise exaustiva do setor em que o ativo está inserido e estudar também o cenário macroeconômico.

É muito comum em fóruns na internet ver desentendimentos entre ‘grafistas’ e ‘fundamentalistas’. Cada um quer ter razão em sua análise.

Para quem está começando na Bolsa o importante é saber que são estratégias e metodologias diferentes. O grafista vê o preço e foca no curto prazo. Já o fundamentalista, geralmente, observa o valor da empresa ao longo do tempo.

Existem muitas pessoas que usam as duas estratégias (gráficos e análise de fundamentos), o que dá mais trabalho e exige mais tempo de dedicação, mas fornece uma visão mais completa do mercado.

No próximo artigo falaremos mais sobre o assunto. Se você é novato na Bolsa, não deixe de acompanhar nossa série de reportagem.

 

Acesse as outras reportagens da Série Sou Novato na Bolsa

Não confunda trade com investimento

O manejo de risco é seu aliado

Qual seu método de investimento ?

Aprenda com quem sabe